Na LATAM, a Oficina de Motores e APU tem uma chefe

Na LATAM, a Oficina de Motores e APU tem uma chefe

No mês das mulheres, conheça a colombiana Mónica Ariza, chefe dos Motores da LATAM

Leonor Macedo Acervo Pessoal

Postado Março 2020

Você demorou a escolher sua profissão? Pois Mónica Ariza nunca teve dúvidas. Desde pequena, olhava para o céu colombiano e admirava o vai e vem dos aviões, pensando que, um dia, faria parte disso. Poderia ter sido piloto, tripulante, mas o que lhe fascinava não era apenas voar: eram mesmo os tais pássaros de aço e tudo aquilo que os fazia alçar voos mais altos, rápidos e distantes.

Foi assim que, aos 23 anos, se formou engenheira aeronáutica e mudou-se da Colômbia para o Chile, onde, há sete, trabalha na LATAM. "A princípio, comecei como engenheira de motores e desempenhei o cargo durante três anos", relembra. "Depois, fui convidada a liderar a equipe da oficina de motores e APU (auxiliary power unit) - o motor auxiliar dos aviões."

Na LATAM, a Oficina de Motores e APU tem uma chefe

Sem pestanejar e com a mesma determinação da menina que sabia desde o princípio o que queria ser quando crescesse, Mónica aceitou o convite para estar à frente da equipe responsável por manter sempre os motores disponíveis à operação da companhia aérea. Ainda que com a certeza de que enfrentaria desafios por chefiar uma equipe de 50 pessoas majoritariamente masculina. Mas superou qualquer obstáculo.

"Acredito que consegui romper qualquer barreira liderando a equipe de maneira autêntica, solucionando os problemas junto aos meus colegas, sendo conciliadora e focada nos objetivos. Com a minha personalidade e minha paixão pelo que faço", garante. Seus motores, que a fazem voar alto, junto com os aviões.


A história de uma comissária que virou piloto

Dicas de uma comissária para manter o bem estar durante o voo

Conheça o trabalho do Serviço ao Cliente da LATAM