África do Sul:

una semana entre Joanesburgo, Cidade do Cabo e o safári

image

Uma nação arco-íris. A expressão, cunhada pelo vencedor do Nobel da Paz Desmond Tutu ao descrever a África do Sul pós-apartheid, é ideal para ilustrar os muitos matizes de um país com 11 idiomas oficiais, três capitais (Pretória, Bloemfontein e Cidade do Cabo) e banhado por dois oceanos, o Atlântico e o Índico. Um lugar multiétnico, com 56 milhões de habitantes, com uma biodiversidade das mais ricas do planeta. Uma nação com uma história turbulenta, mas que abraça o futuro sem esquecer o passado. Talvez não exista tempo o suficiente para compreender cada tonalidade sul-africana, mas basta uma semana entre Kruger Park, Cidade do Cabo e Joanesburgo para render-se à diversidade de um país de todas as cores.

 

Dia 1

images

9h - Topo da África

Joanesburgo é a maior cidade do país e um dos melhores lugares para vê-la é o Carlton Center, arranha-céu de 223 metros cuja vista ganhou o apelido de “Top of Africa”. De lá, siga para a Diagonal Street, com edifícios vitorianos baixinhos tomados por lojas de tecidos étnicos e ervas medicinais.

 

Carlton Center: 150 Commissioner Street

 

10h - Independentes e deliciosos

Aos fins de semana, mercados independentes de comida pipocam pelos bairros. É o caso do Market on Main (domingos, em Maboneng) e do Neighbourgoods Market (sábados, em Braamfontein). Nos dias de semana, a dica de almoço é o The Immigrant Bar, com tábuas de tiras de frango para compartilhar.

 

Market on Main: 264 Fox Street & Berea Road 

Neighbourgoods Market: 73 Juta Street

The Immigrant Bar: 90 De Korte Street

 

images

15h - Passado presente  

Em 2019, a África do Sul completa 25 anos livre do apartheid, mas as lembranças do regime estão por todo o país: no The Old Fort, antiga prisão por onde passaram Mandela e Gandhi, fotos reforçam a importância da igualdade; e a Nelson Mandela Square homenageia o líder sul-africano em um complexo com shopping e restaurantes.

 

The Old Fort: 11 Kotze Street

Nelson Mandela Square: 5th Street, Sandown

 

Dia 2

images

Todo o dia - Natureza selvagem

O Kruger National Park, um dos 21 parques nacionais da África do Sul, fica a 4h30 de carro de Joanesburgo. Às 5h30 da madrugada, visitantes recebem caixas de piquenique com o café da manhã, preparado em campings durante o safári.

 

A expectativa é grande para ver os Big Five – leão, rinoceronte, elefante, búfalo e leopardo, símbolos da Savana africana –, mas há outros animais majestosos, como hipopótamos, zebras e girafas. Todas as manhãs, os guias se atualizam sobre suas localizações, mas a sorte é fundamental e não há garantia de se encontrarem os bichos. Os deslocamentos no Kruger acontecem apenas pelas estradas; para explorar a savana de dentro, o ideal é se hospedar em uma das reservas privadas anexas ao parque. Nelas, game drives (saídas exploratórias) acontecem de manhã e no fim do dia.

 

Dia 3

images

9h - Introdução necessária

Um voo de duas horas separa Joanesburgo da Cidade do Cabo, um dos destinos de maior beleza natural do mundo. A 11 km da costa, no entanto, a visita a Robben Island permite enxergar um lugar para além da natureza exuberante. Durante o apartheid, centenas de prisioneiros políticos (incluindo Mandela) foram encarcerados ali. O passeio relata como a ilha serviu de espaço de exclusão. Na penitenciária, o público é guiado por um ex-prisioneiro e o relato revela um ponto de vista único sobre o racismo e a importância da liberdade.

 

13h - Sinal dos tempos

De volta à península, o destino é o antigo subúrbio industrial Woodstock, hoje revitalizado, com muros grafitados, galerias, cervejarias e lojas de design. Símbolo da nova fase, o complexo The Old Biscuit Mill abriga cafés, espaços de co-working e restaurantes. Aos sábados, sedia o Neighbourhood Goods Market (à direita), que vende comida, roupas e artesanato. De lá, siga para Bo-Kaap, bairro de imigrantes da Malásia, famoso por suas casinhas coloridas.

 

The Old Biscuit Mill: 375 Albert Road

 

images

17h - O topo do mundo  

Com 1.084 metros em seu lado mais alto, a Table Mountain é o grande cartão-postal da península. Tente comprar o ingresso com antecedência e ir no fim da tarde, mas separe mais de um horário pois variações de clima podem atrapalhar a visibilidade. Com o tempo aberto, a garantia é um cenário maravilhoso.

 

20h - Noite no porto

O revitalizado porto Victoria & Alfred Waterfront é um grande centro de entretenimento. Vá ao The Food Court: as barracas vendem pratos como o biltong, petisco de carne-seca temperada. Para jantar, a dica é o Belthazar, casa de carnes que prepara cortes argentinos e dry-aged, harmonizados com vinhos locais servidos em torneiras.

 

Belthazar: V&A Waterfront Shop, 153

 

Dia 4

images

9h - Direto da fonte

Boa parte da produção de vinhos da África do Sul está em Stellenbosch, vizinha à Cidade do Cabo. Com mais de 150 fazendas, ela abriga espaços como a Babylonstoren, um vinhedo-resort, e a vinícola Boschendal, lugar de degustações harmonizadas com queijos ou chocolates. Experimente a cepa pinotage, união entre uvas pinot noir e hermitage – uma “prata da casa” regional.

 

Babylonstoren: Klapmuts Simondium Road

Boschendal: Pniel Road Groot Drakenstein

 

images

12h - Feito em casa

Instalado em um casarão de 1706, o restaurante Stellenbosch Kitchen usa apenas ingredientes produzidos na região de Western Cape em seus pratos, tão distintos quanto um risoto de cogumelos e um hambúrguer com aïoli.  Um achado gastronômico em um local famoso pelos vinhos.

 

Stellenbosch Kitchen: Dorp & Andringa Street    

 

18h - África reunida

De volta à Cidade do Cabo, um jantar tipicamente africano em menu individual no restaurante Gold homenageia vários países do continente em 14 pratos, como a sopa de tomates de Zanzibar e o frango congolês. Danças tradicionais apresentadas pelo time da casa completam a experiência.

 

Gold Restaurant: 15 Bennett Street

 

Dia 5

images

8h - Marcha dos pinguins

Próximo à entrada de Boulders Beach, a pouco mais de 40 km ao sul da Cidade do Cabo, logo se vê um exemplar curioso da fauna africana atravessando a rua. O surgimento dos pinguins por ali aconteceu em 1983 e a grande oferta de alimentos deu início a uma colônia bem-adaptada. Na praia, os bichinhos podem ser admirados bem de perto, mas não vá tocá-los – apesar de fofos, eles não são tão amigáveis quanto parecem.

 

11h - No limite

Mais ao sul da península fica o Table Mountain National Park, que guarda o ponto mais ao sudoeste do continente: o Cabo da Boa Esperança. Lá, um funicular conduz ao Farol do Cabo, área cheia de mirantes. Próximo dali, no restaurante Two Oceans, frutos do mar são protagonistas de um almoço com vista para o oceano sem fim. 

 

images

15h - O outro lado do paraíso

O retorno à cidade pode ser feito pela Chapman’s Peak Drive, estrada que atravessa o lado oriental da península. Mirantes facilitam a vista do cenário da montanha íngreme que termina abruptamente. O trajeto conduz a Camps Bay, balneário emoldurado pela Twelve Apostles, o lado “de trás” da Table Mountain, onde se pode mergulhar na piscina de água salgada e tomar drinque à beira-mar em restaurantes como Zenzero ou Umi.

 

Zenzero: 2A Victoria Rd

Umi: 201, The Promenade, Victoria Rd

 

19h - Grande estilo

Um enorme salão, móveis pesados e uma big band tocando ao vivo.  À primeira vista, tudo no restaurante Pigalle parece exagerado. Entretanto, basta sentar-se à mesa para surpreender-se. Inspirado na gastronomia internacional, especialmente a portuguesa, a casa aposta em carnes e frutos do mar. E, para quem quiser, é permitido dançar!

 

Pigalle: A, Somerset Square, 57 Somerset Rd

 

Dia 6

images

9h - No caminho da liberdade

De volta a Joanesburgo, o roteiro circula por Soweto (abreviação de South Western Townships), sinônimo do passado conturbado do país. Também visita a Freedom Square, marco na luta contra o apartheid, e a Vilakazi Street, morada de dois sul-africanos laureados com o Nobel da Paz: Nelson Mandela e o reverendo Desmond Tutu. Em sua biografia, Um Longo Caminho para a Liberdade, Mandela escreve sobre a casa, hoje museu, para a qual regressou após ser solto, em 1990. “Foi só naquele momento que soube no meu coração que tinha deixado a prisão. Para mim, o número 8.115 foi um ponto central no meu mundo, o lugar marcado com um X na minha geografia mental.”

 

Freedom Square: 99 Union Ave

Nelson Mandela Museum: Corner Nelson Mandela Drive & Owen Street

 

A LATAM tem voos para Joanesburgo a partir de São Paulo.

Garanta seu pacote completo com hospedagem e passeios para este destino com a LATAM Travel ou em latam.com

*Temos opções de carros

Agradecimentos: Kobo Safari