<iframe src="//www.googletagmanager.com/ns.html?id=GTM-RPVH" height="0" width="0" style="display:none;visibility:hidden"></iframe>

Costa Rica

Natureza e aventura na América Central

Costa Rica: Natureza e aventura na América Central

Costa Rica

Natureza e aventura na América Central

O pequeno país da América Central é a perfeita tradução de tropical: tem florestas, praias, vulcões, rios e esportes de aventura incríveis 

 

Assim que as portas do avião se abrem, um ar quente e úmido invade a cabine. Sinal de que estamos cercados por algumas das florestas mais densas do mundo, em San José, capital da Costa Rica. Dizem que, quando Colombo aportou suas caravelas no litoral caribenho, avistou índios com adereços de ouro, por isso teria batizado o local de Costa Rica. Seu Colombo tinha razão: é mesmo um lugar abastado. Mais de 25% do território está formado por reservas e parques nacionais que guardam cerca de 6% da biodiversidade do planeta. Tem praias luxuriantes, banhadas pelos oceanos Pacífico e Atlântico. Ali, é possível explorar desde a história dos povos pré-colombianos até aventuras extremas com esportes radicais. O país produz cafés de altíssima qualidade. Ah, e a Costa Rica ainda abriga um povo que extinguiu o exército em 1948 e só quer saber mesmo é de pura vida, expressão que significa que tudo vai muito bem, obrigado.

 

Capital do sossego

Contrariando o título pomposo de capital federal, San José conserva ares interioranos. Talvez pela falta de prédios altos, a sensação é que esqueceram de avisá-la sobre sua importância. Mas uma parada na cidade se torna cada vez mais necessária para se conhecerem pontos como o Museo del Oro Precolombino, que explica o desenvolvimento de adereços com o metal desde 1500 a.C. O grão responsável pela recente virada de San José, porém, é outro: o café. Qual tipo, de que região e que método de extração você quer? São perguntas que chegam antes de se bebericar um cafezinho. Até dois anos atrás, não era assim. Os melhores grãos iam para a exportação, e os ticos, como são chamados os locais, ficavam com a rebarba. Com o surgimento de casas que cultuam a bebida, porém, o cenário mudou.

 

Essa virada faz parte de uma valorização da cultura nacional, que inclui a redescoberta do centro da capital e de bairros como Amón e Escalante, onde fica a Cafeoteca. Ela integra o restaurante Kalú, que tem menu com jeito de brunch. Para completar o tour, a galeria Teor Ética expõe trabalhos de artistas locais em uma casa antiga, e o Hotel Presidente serve drinques elaborados e comidas nacionais com fusão mediterrânea em seu novo bar, Azotea, com vista para a cidade. Agora, a capital também reivindica seu lugar em guias de viagem.

 

Do pé ao pé

Rumo ao norte do país, no caminho para o Vulcão Arenal, a 45 minutos de carro desde San José, está a fazenda centenária Doka Estate. Ali se mostra, da plantação à moagem, o que torna o café costa-riquenho tão especial. Uma pista está pertinho: o Vulcão Poás garante solo rico em nutrientes, a uma altitude de 1.300 metros. Com a matéria-prima de primeira que a natureza deu, eles conseguem extrair o melhor dos grãos de arábica, a única espécie da planta que pode ser cultivada no país por lei. Se você for no período da colheita, de outubro a janeiro, pode assistir a tudo ao vivo. E, claro, terminar com uma degustação.

 

Forças da natureza

Diante de um vulcão, qualquer humano se sente um tanto impotente. Essa força da natureza decide, quando quer, cuspir lava para todo canto. Na Costa Rica, mais de 100 estão ativos e há diversas maneiras de conhecê-los. As comunidades de La Fortuna, à volta do Vulcão Arenal, no norte do país, sentiram sua fúria de 1968 a 2010, quando o gigante voltou a ficar tranquilo, pura vida. Uma trilha de quase 5 km pode ser percorrida nos arredores e revela a lava ressecada, negra, começando a ser coberta por vegetação. Pedras imensas lembram o estouro inicial para abrir espaço ao magma quente.

 

O bosque da reserva privada Místico, próxima ao Parque Nacional Volcán Arenal, coloca os visitantes no meio da selva. Durante uma caminhada leve, de 3 km, por trilha cimentada, ouve-se o coaxar estridente da minúscula rã vermelha rela-morango (conhecida como blue jeans por suas pernas azuis, como se vestisse calças). De repente, uma das dez pontes suspensas rompe a floresta até o outro lado. Não há nada de radical em cruzá-las, é só contemplação. Também vale experimentar o Sky Tram, uma sequência de sete tirolesas também na região. A maior se estica por 765 metros de comprimento, percorrida em 40 segundos naquele fiozinho de aço. É tão longa que não se vence em um só grito; é preciso retomar o ar e berrar pelo menos mais duas vezes. Floresta selvagem e um lago servem de recompensa no percurso até a próxima plataforma, onde recomeça a diversão.

 

Os que apreciam manter os pés fincados no chão vão preferir a beleza da cascata La Fortuna. Do mirante na entrada se vê um bloco de água surgir do meio da mata verde e cair por 60 metros dentro de um vale. Descendo as escadas que levam até a base, as árvores gigantes parecem ainda viver em um mundo com proporções de dinossauros. Até que aparece um lago azul-claro, como se fosse miragem, formado pela cachoeira, onde você pode se banhar. Para o giro por essa região, um hotel bacana vale o investimento. Depois de voltar cansado das atividades do dia, um lugar onde mimem você com conforto, massagem e boa mesa, como faz o hotel Nayara Springs, por exemplo, melhora sua experiência.

 

Zoológico a céu aberto

Antes da entrada do Parque Nacional Manuel Antonio, na costa do Pacífico, uma iguana de quase 2 metros relaxa sobre um galho. A combinação de floresta, mar e mangue torna o lugar atraente para animais. Há sete trilhas, para percorrer devagar: a cada dois passos, o guia mira a luneta em um novo bicho, como preguiças dorminhocas. Ruídos de macacos quebram o silêncio, e eles passam saltando pela copa das árvores. É esperto ter um bom guia, para encontrar a bicharada mais discreta. O lugar foi transformado em parque em 1972, na onda de preservação de áreas naturais que elevou o país a paraíso ecológico. Espécies que não se viam há anos, como araras, agora começam a reaparecer.

 

No parque, as caminhadas desembocam em praias deslumbrantes. Mais afastada, a Playa Gemela tem pedras nas duas pontas. Manuel Antonio e Espadilla Sur ficam na península de Punta Catedral. Relaxe e curta um mergulho. Só cuide para que um guaxinim não belisque o seu lanche. Não há barracas nas praias; portanto, leve comida e bebida . Fora do parque, também há ótimas praias, como Biesanz, uma baía quase vazia com aluguel de caiaque e snorkel. Como diz o nome, a costa é mesmo rica: o noroeste tem algumas das melhores ondas do mundo para surfar e o lado caribenho ostenta água cristalina.

 

Corredeiras e calmarias

Remos levantados no centro do bote para comemorar o feito do grupo, de oito pessoas: vencemos uma queda-d’água no rafting pelo Rio Pacuare, no leste do país. Considerado um dos melhores do mundo para essa prática, o rio desafia os visitantes com corredeiras de intensidade um a quatro, em uma escala máxima de cinco pontos. Vai de uma simples sacudida à passagem por imensos turbilhões de água. Por isso, é importante procurar uma empresa especializada para ter treinamento, equipamento de segurança e suporte durante todo o trajeto.

 

Para além da emoção do esporte, é de uma beleza única percorrer os 30 quilômetros rio adentro. Cascatas caem sobre o bote, há vales verdejantes, comunidades indígenas, pontes ferroviárias e um cânion de pedras, em um resumo da pluralidade que a Costa Rica tem. E olha que isso é só um aperitivo do que ainda ficou por ser explorado.

 

Onde ficar

San José

Hotel Grano de Oro

Mansão em estilo vitoriano, de 1910, tem 39 habitações diferentes e elegantes.

Hotel Presidente

O hotel dos anos 1960 passou por uma recente  e descolada modernização.

 

Arenal

Nayara Springs

Excelentes acomodações e serviços exclusivos em quartos estilo bangalô, integrados ao ambiente. 

 

Río Pacuare

Ríos Tropicales

Empresa de rafting com ótimos serviços e equipamentos.

 

A LATAM terá voos diretos a San José saindo de Lima a partir de janeiro de 2018.

 

Agradecimento: SINAC - Sistema Nacional de Áreas de Conservación.

 

Quer conhecer este destino?


Victor Gouvêa
Fernanda Frazão